20 março 2008

No coração de uma leide batem tantos corações...

E eu também sei que o vosso coração bate cheio de saudades (lindo). Por isso, e após uma semana a provocar-vos uma dor atroz (eu sei Camilo: é preciso ter muita fé - e tu demonstraste-o - para abrir o blog e dar de caras com o Omem) eis que, após um processo de purificação, e com o apoio de uma especialista em álcool, rotundas e petinga, vos venho oferecer a recompensa, e partilhar uma nova perspectiva mais optimista sobre a questão da clonagem: esta, a haver, deve ser selectiva. Por exemplo, se falamos de ovelhas (poderia pôr no mesmo saco a Maria do Lurdes Rodrigues, o Engenheiro ou mesmo a Morgado, mas não queria ofender as ovelhas que não tem culpa nenhuma nem merecem ser confundidas) a resposta é, obviamente, não. Se falarmos da Mónica ou até mesmo do Pinto da Costa, e atendendo aos benefícios que a humanidade poderia vir a obter, só poderia aceitar e congratular-me com tal façanha científica...
Por isso mesmo, venho aqui oferecer os meus serviços para colaborar, de forma quase graciosa, na equipa de escolha e selecção dos exemplares a multiplicar, de forma a poder contribuir para um futuro mais radioso da humanidade. Amen.

4 comentários:

Daniel disse...

Isto foi gravado em Portugal! Vou agora ali buscar um guardanapo para limpar a baba e já volto....

m.camilo disse...

Tango/tanga, o mesmo papel pr'a mesma menina, copos/copas...faz-me lembrar alguém que frequenta uma tabacaria lá prós lados do Montijo.

m.camilo disse...

Por outro lado, isto é o que se chama uma mulher que se anda a enganar a ela própria...

filipe m. disse...

Ai a minha Speed Triple..........